Entra ou Sai

Agosto 16, 2007

Vindimas e lagaradas

vindimas-1-a.jpgVindimas

São tempos idos, tempos que já lá vão. Ó! Como é tanta a saudade que eu tenho daqueles tempos de outrora!
Velhos e novos lá íamos de cesta ou balde e tesoura ou navalha na mão.
Negras e loirinhas lá iam caindo, no cesto ou balde, no bucho do velho, ou no do jovem , menino ou menina.
Eram tempos de festa. Toda a gente alegre cantava, um bago tragavam e uma cantiga cantavam. E o dono muito aflito ao vento lançava:
“Cantai, meninas cantai! Que o vosso canto tem encanto! Cantai, cantai até fartar! Cortai, cortai as minhas uvas sem parar.
Eu o ouvia, ouvia e sorrateiro baixinho dizia:
__Canto, canto! Agora posso cantar! A minha pança há muito que está cheia das que te vinha roubar pelo luar da Lua cheia.
Ao luar algumas vim roubar, E que rico paladar elas tinham! Sabiam-me muito melhor roubadas que dadas.
Pela noite vinha a pisa. Ao ritmo de “esquerdo e direito” da voz de comando, lá íamos marchando.
Lentamente, milímetro a milímetro, lá íamos avançando.
Já depois de bem pisadas, com as pernas de vermelho pintadas começava a grande festa para qual a festança do dia tinha sido apenas um aperitivo.
Ao som do realejo, acordeão ou concertina os magalas improvisados acompanhavam com cantigas em voga.
Mais ou menos afinados, cantávamos, cantávamos. Mas às tantas lá se ouvia uma arranhadela desafinada saída da garganta de alguma boca desdentada.
Era o cantar de algum Manel, Tonho ou Zé, que desdentado desafinava pois que para dentista o seu magro pré não chegava.
No dia seguinte era hora da repisa. Com a lagarada mais aguada a tarefa era mais simplicada.
Toca a marchar, Toca a marchar! Mas as pernas cansadas a marchar se recusavam. A cabeça doía, ainda ressentida da ressaca da véspera, provocada pelo vinho do garrafão, que regou o bom petisco: presunto, chouriça, ou salpicão.
Para carne do talho não havia tostão. Mas havia bons enchidos, boa broa, ou bom pão com mistura de trigo e centeio.
Ainda meio-dia não tinha dado o relógio da torre e já andávamos todos dopados outra vez. Mas agora a culpa maior era do cheiro do mosto.
Pela tarde começava o mais difícil. Era preciso criar apetite para os braços da atarraxa puxar para daquelas cascas todo o sumo tirar.
O mosto enchia cântaros, tonéis e pipas. E aquele “néctar dos deuses”, lá ficava a fervilhar até ao dia do São Martinho.
Era neste dia, com a bênção deste santo que se provava o vinho novo.
E nos dias mais próximos era uma alegria! Não havia lugar a tristezas. Toda a gente, homens e mulheres, esqueciam as maleitas e as agruras do dia-a-dia da vida.
Naqueles tempos, era árdua a tarefa da lavoura. Sem horário certo, a jorna, normalmente era controlada pelo, _ sol – a – sol.
Quem, para si mesmo trabalhava, esse horário pela noite ou madrugada prolongava. Nas regas ou outras tarefas, a fresca aproveitava porque a caloraça tréguas não dava.
Era árdua a tarefa, amargo o viver. Mas, por incrível que pareça o povo ainda arranjava vontade para cantar e dançar.
Eram ranchos de gente a labutar: no amanhar da terra, a mondar, __a arrancar ou chacholar as ervas daninhas para a cultura medrar.
Eram tempos em que as aves sempre rondando, para algum bichito ou verme aproveitar, ou talvez até para daqueles alegres cantar algo aproveitar.
Ó que saudade daqueles tempos. Tempos das vindimas, das pisas e lagaradas. Ó que saudade daqueles tempos, tempos idos, tempos de outrora , tempos que já lá vão !

Agosto de 2007

2 comentários »

  1. E veio a maquinaria que estragou a tradição.
    Nunca ssisti a nada disso, porque lá não se faziam.

    Gostei muito de ler-te.

    Beijos para todos e um especial à pimpolha:)

    Comentar por Fatyly — Agosto 21, 2007 @ 8:39 pm | Responder

  2. ko,wkrmkrmksmvxc oxcwi nighhkrb ed>XSDXcVG>BAHZBgvscbySAASSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSDQQZASXZA55555

    Comentar por ,,,,,,,,,,,,,,,jkl,hgfm — Março 6, 2008 @ 10:58 am | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

site na WordPress.com.

%d bloggers like this: